Follow by Email

sexta-feira, 23 de março de 2012

Mestre do Humor

Fazer outros sorrirem quando na verdade queremos chorar. Ser o palhaço mais sério do circo. Mostrar humor como poema. Fazer do poema um humor. Ser baiano de carteirinha arretado como um sorriso sincero de uma criança. Ter todos os problemas do mundo e fazer do mundo um problema engrassado. Morrer e se manter vivo, sendo assim, ser imortal. Ser por acidente, se é que se pode ser de outro jeito. Contar o miserê com total empatia nos olhos. Degustar cada degrau da escada da felicidade e saber que todos os outros até chegar ao topo são total sofrimento e que o sorriso que se carrega, se deve ao almejo da conquista. Conquistar tudo e se sentir sem motivo. Motivar-se novamente, e fazer do motivo uma piada idiota. Ser além do seu tempo e se sentir que o único tempo que lhe interessa é esse, o além deixe pra depois. Continuar alegrar quando a alegria já se esvaiu, e não se importar pois oque importa é que o show deve continuar. Cortinas fechadas e o espetáculo em total ápice. Chorar de rir, simplesmente chorar agora, é a vida depois riremos de tudo.
PS: Eterno Francisco Anysio de Oliveira Paula Filho




Caique Maciel Arruda

segunda-feira, 19 de março de 2012

Olhar vibrante

É menina, doce menina não sei oque acontece contigo, oque sente, qual é o seu problema, sempre tão fria e ao mesmo tempo tão delicada, mas se for a mesma coisa que sinto, posso ajuda-la? Creio que por sinal é bem parecida comigo, tenho saudade dos tempos em que era meiga como você, sei que te fazia feliz quando conversávamos, conversas bobas eu sei, mais nos conhecemos tão por acaso tão de repente. Lembro-me como se fosse ontem quando dizia que eu era sua inspiração, não tínhamos tanta amizade, na verdade não tive a oportunidade de conhecê-la pessoalmente, mas me confortava conversar com você, não me dizia nada e ao mesmo tempo tudo, sua boca sempre em silêncio calada, mais seus olhos sempre gritando por socorro, eu sentia como se tivesse ai quando dizia que não era amada pelo seu amor, quando tentava se expressar com os pulsos cortados em lâmina para ser notada. É menina, eu tentei lhe ajudar, pena que aconteceu algo inaceitável entre nós incluindo outra pessoa, você sabe oque estou dizendo, tentei também fazer com que isso não atrapalhasse, mas infelizmente essa outra pessoa tem uma importância maior pra mim, tão grande que se soubesse não teria feito talvez, me desculpe mais não pude engolir, pois não se trata só de amor e sim de amizade uma grande amizade que nos impede. Você me feriu sim, mas te digo garota que apesar de tudo que aconteceu sempre quis sua vitória e sei que terá, pois não é como as outras. Não quero saber como esta, sabes que me magoou muito né? Mas quero saber como vai ficar então vá menina corra, se liberte, pois seu futuro será esplendido minha pequena.

Bárbara Sakamoto

Como Escapar

Criou-se novamente. Quem disse que podia? Abaixo do meu pescoço e acima de minha barriga, nossa mas como dói! Ver sentido em todos perfumes, sorrir de todas as idiotices ditas, viver um ano em um segundo e sofrer ferosmente por segundo sem ver uma lindeza de imagem similar somente a sua. Dói! Agora dentro do crânio. Dizem por ai que não se pode sentir duas dores ao mesmo tempo mas nunca disseram que duas dores podem se tornar uma: O amor! Dói mesmo essa dor, dói ter braços e não poder abraça-la, olfato e não saber seu perfume, olhos e te enchergar só em pensamentos, pernas e não andar ao seu lado, sorriso e não compartilha-lo com você, lágrimas e não chorar ao seu lado, lábios para beijá-la e assoviar solidão, dedos e somente entrelaça-los com os meus em prece pra que seja realidade; Dói poder ter apenas um coração e o meu ainda não estar dentro de você e o seu dentro de mim, um transfusão do amor, sim, transfusão do amor. Demorou pra mim perceber que distância e esperança aos olhos de quem vê tem o mesmo tamanho mas aos olhos de quem sente, direi, distância é um grão de areia no olho de um ciclope, encomoda mas não empedi de deixa-lo ver seu objetivo real. Criou-se novamente, sinto, entende, sinto e não sentia mais nada. Sinto arrepios com pensamentos, sonhos tangivêis, frio na barriga,  perda de razão e somente batimentos cardiacos a dizer em uma forma que expeli em meus poros: SINTO O AMOR!

PS: Isabelly Santos

Caique Maciel Arruda

quinta-feira, 15 de março de 2012

Eu Deus

E eu estive presente em todos os momentos de minha vida e mesmo assim eu não me empedi em nenhum momento de tomar todas as atitudes que tomei tanto boas quanto más e meu lado acionário apenas sentia que eu estava lá observando mas não podia enchergar-me, igual aquelas fotos que tiramos e vemos estranhos nelas, estranhos que refletem igualmente nossa sombra com nossa personalidade, nosso medo ou mesmo vontade. Sempre vivi a observar-me e a cada passo meu limitava-me a me deixar seguir livre a tomar atitudes, houve horas que pedi favores a mim mesmo e outras que desejei cortar o pescoço quando os favores não se realizavam, observei que a falta de vontade da minha pessoa deixava-me, fantasma, cada vez mais frustado, e assim o frustramento tornava-me cada vez mais possessivo de mim mesmo tornando meus atos erroneos e minhas certezas cegas ao limite vi que me prendi dentro do meu corpo e que meu corpo me retinha e já assim eu necessitava de outro estado, tornar-me trino, quando percebi que meu corpo já estava trancafiado a minha alma fiquei louco e procurei um jeito de sair daquele estado de certezas das quais estava mais incerto do que nunca e me tornei trino ao libertar minha mente, libertando-a observei um mundo totalmente diferente, um lugar onde eu não só observava a mim e sim a todos, lugar este onde eu obtive milhões de costumes, dei fim aos meus preconceitos e lugar este onde percebi que viver pensando só em mim mesmo é puro egoísmo e que todos fazem parte de mim  pois afinal somos uma célula e cuidando de mim eu necessito cuidar de todos e cuidando de todos eu me torno simples gentil e supremo aos olhos de quem encherga assim. Aos meus olhos eu sou meu deus, trino, e ressucito com os meus poderes a cada morte minha, poderes os quais tenho como superação, força de vontade e fé em si próprio, assim se vai longe assim uma pessoa se torna deus pois somos assim precisamos de fé e força de vontade pra alcançar a superação. Trino, eu sou meu deus.

Caique Maciel Arruda

PS: A diferença entre eu e Deus são somente duas coisas, Sem o D e o S Deus fica como eu. A única diferença entre eu e Deus são somente duas coisas o D e o S o resto é eu.

quarta-feira, 14 de março de 2012

Parametros da Lagarta

Escuridão. Simplesmente escuridão após todo esse esforço? Meus, não sei o nome ainda, olhos não abrem por mais que eu queira e só ouço ruídos, barulhos que não identifico mas me proponho a organiza-los e decidir-me direcionar mesmo de olhos fechados. Me localizo no chão sem braços maternos ou fratenos, percebo que fui deixado pra sobreviver, percebo que me arrasto e junto vem um corpo pesado e oque pesa mais do este são sentidos e sentimentos, pois já posso sentir o contato e com o contato sentir medo e com o medo meus olhos abrem. Maravilhosa mente junto as lágrimas vem as luzes e as cores loucas e emocionantes de um mundo que eu vejo que o meu medo criou pois sem meu medo de não enchergar eu não enchergaria. Começo a enchergar mas oque mas me frusta é que ainda estou de joelhos dobrados, cabeça baixa e identificando ruídos que não sei oque dizem, produzindo ruídos que não sei porque os repito, simples assim, vou repitindo oque eu ouço e vejo, acho que não tenho próprias atitudes ainda mas enchergo algo e produzo ruídos oque já é bom mas essa de rastejar não é minha praia. Levanto. Caio. Levanto. Caio. Levanto e dous meus próprios passos e começo a gritar prontamente querendo algo, mudança, viver sem ser confinado a limites e regras, percebo que não é possível pois amo tudo oque conheci e a tudo que so conheci sou preso e tenho medo de perde-lo, novamente minha visão é aprimorada pelo medo. Conheço mil e uma coisas, me torno o ladrão perfeito, o assassino mais necessário, o mau menos esperado e o idiota mais triste por amar. Algo que minhas mãos não podem arrancar de dentro de mim me deixa triste e mesmo após todo o conhecimento, gritaria e independência me sinto mordido por dentro, preso e triste por essa merda que chama amor. Percebo, e prontamente me envolvo em um casulo a pensar, fico nele até acreditar eliminar esse sentimento e volto melhor do que nunca com uma outra visão, com outra aparência mas não consigo deixar de amar, pois querendo ou não é a primeira sensação que me vem ao sentir que eu estou vivo e que se trancar em casulos pode ser mais proveitoso do que se pensa, se você souber o caminho por qual entrou saberá como sair melhor ainda desse labirinto criado por você mesmo. Voa borboleta, mas nunca esqueça que ser lagarta é que te ensinou a viver!



Caique Maciel Arruda

quarta-feira, 7 de março de 2012

Dom Poeta

Você realmente queria ter esse dom? O dom de tudo certo e tudo errado, tudo feliz e tudo triste, estar bem e estar perdido, viver entre tristezas e doses para esse fundos com fumaças de cigarros, viver entra a morte e a vontade de se suicidar, ter vontade de escrever e medo do que vai sair do seus dedos, o dom de estar morto por dentro e continuar caminhando só usando o cérebro, de estar no meio de todo mundo e se sentir a pessoa mais só dele, o dom de se sentir a melhor pessoa do mundo e ainda assim continuar sendo a única pessoa boa , viver entre a raiva e a explosão, entre a música e o silêncio pois os outros sons não importam, o dom de não se sentir com o mesmo, o dom de sorrir só pra agradar, agradar só pra ver um sorriso, chorar só pra conseguir se libertar e segurar a vontade de cortar os pulsos escrevendo, você queria ter esse dom? Então você queria ter o dom de ser poeta só pra viver amores não vividos por você e sim pelos sentimentos a flor da sua pele!

Caique Maciel Arruda

Prazerosa Visão da Morte

Como pode voltar a correr de meus dedos dinovo a vontade de me enforcar. Parece-me que essa vontade é constante como doses em dias de finais de semana, sonhos que fogem da lembrança ou o vivido ato de querer suicidar-se! Venho andando há tanto querendo encontrar um horizonte que já não enchergo, venho eu e venho mancando, e as velhas asas da esperança, noto eu, não querem alçar voô estão canssadas de voar e conseguirem  somente fazer o seu vento sobrar as folhas secas que se misturaram as lágrimas no chão. Meus olhos não se encaram mais na frente do espelho e eu não consigo mais olhar-me por dentro pois há somente um intenso escuro, uma umbra, as cores felizes foram engolidas vorazmente e do mesmo modo expelidas com puro cheiro de vodka misturada com delírios de um louco e pitadas de sanidade, acho que o terceiro ingrediente, sanidade, sempre me faz vomitar em todo e qualquer lugar. A compania de um cigarro é oque ando tendo de mais amigável em mim e meu sorriso, ah ele sim ainda se mantem intacto e amarelado como o de qualquer um de vocês que como eu usa máscaras em dias assim que se tornam comuns a pessoas que não vivem e sim realmente morrem a cada dia que passa. Condicionei-me a um estado lutar e percebi que fiquei estático. Cada dia morro pensando em todos os porques, todas as dúvidas, cada atitude não tomada e isso parou minhas composições músicais assim como decapitou todos meus sentimentos e ao ver suas cabeças no chão senti no paladar que meu puro sangue, e foi bom, o único sentimento que restou foi o medo, e o senti com muito fevor ao perceber que fiquei feliz ao me ver-me morrendo aos poucos!




Caique Maciel Arruda

Oque realmente as pessoas pensam?



 Vêm de repente pensamentos que toma conta de mim, coisas inaceitáveis talvez, sei que isso não me faz bem, me sufoca em saber que posso ajudar mais nem sempre elas dão a importância de saber, sei que às vezes lhe interessam mais não faz tanto sentido, pois não é aquilo que as confortam.
 Talvez isso faça parte da idade, ou não, ou são sós pensamentos escrotos, que na maioria das vezes sinto que só eu tenho só eu posso sentir, queria ter um pouco de sossego disso tudo, queria que voasse pra bem longe e encontrasse uma pessoa que realmente entenderia.
 Nem sempre isso é bom, julgar é a palavra certa a se dizer oque realmente acontece, mais confesso que não ligo, pois foram várias batalhas e conquista pra chegar até aqui, sei que todo esse sofrimento é uma forma de crescimento e amadurecimento, e não há nenhum problema na verdade são obstáculos, e lhe digo que cada pessoa encontrará seu próprio caminho a trilhar, pois oque é seu a vida realmente lhe guardou.

Bárbara Sakamoto

Fragilidade Agressiva

Estou escrevendo hoje para pedir socorro, sim, socorro. Me socorre, me arranca esse vazio, revira o meu mundo de ponta cabeça, vai, ainda há tempo. Me tira essa vontade de buscar por coisas erradas, por estar seguindo por um caminho tortuoso onde só há dor, por favor eu lhe peço, me socorre. Sei que sabes de tudo, és o bem maior. Por favor me dê forças, porque eu não tenho mais. Pensar em desistir? Quase todos os dias. Como isso é possível? Pra onde foi toda aquela coragem, toda aquela fé, luta, esperança? Se entregar desse jeito é? Não sei mais quem eu sou, sim, eu cheguei a esse ponto. Eu olho no espelho e vejo uma mera desconhecida, vejo sangue em meus olhos, vejo dor, não há mais brilho nenhum. Quando foi que eu me perdi desse jeito? Como foi que eu vim parar aqui? Como cheguei a esse ponto? Não consigo mais ter esperança, não consigo ter mais nada. Minha vida é reclamar, fazer coisas para que o tempo passe mais rápido, simplesmente ignorar a tudo. Esse vazio é tão grande, nada preenche, nada mesmo. O que me falta então? O que preciso para recuperar toda aquela força de antes, me diz, pelo amor de Deus.  Estou totalmente perdida e assustada. Me proteja.



Jeniffer Diniz